A fumaça do cigarro é uma mistura de aproximadamente 4.700 substâncias tóxicas diferentes e constitui-se de duas fases fundamentais: a fase particulada e a fase gasosa.  A fase gasosa é composta, entre outros, por monóxido de carbono, amônia, cetonas, formaldeído, acetaldeído e acroleína. A fase particulada contém nicotina e alcatrão.

  • O alcatrão é um composto de mais de 40 substancias comprovadamente cancerígenas, formado a partir da combustão dos derivados do tabaco: arsênio, níquel, benzopireno, cádmio, resíduos de agrotóxicos, substâncias radioativas, como o polônio 210, acetona, naftalina, fósforo P4/P6 e substâncias usadas para veneno de rato.
  • O monóxido de carbono (CO) tem afinidade com a com a hemoglobina (Hb) presente nos glóbulos vermelhos do sangue, que transportam oxigênio para todos os órgãos do corpo. A ligação do CO com a Hb forma o composto chamado carboxi-hemoglobina, que dificulta a oxigenação do sangue, privando alguns órgãos do oxigênio e causando doenças como a aterosclerose.
  • A nicotina é considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) uma droga psicoativa que causa dependência. Ela age no sistema nervoso central como a cocaína, com uma diferença: chega em torno de 9 segundos ao cérebro. Por Isso, o tabagismo é classificado como doença, estando inserido no Código Internacional de Doenças (CID – 10), no grupo de transtornos mentais e de comportamento devido ao uso de substância psicoativa. Além disso, a nicotina acelera a frequência cardíaca, causando hipertensão arterial. A nicotina, juntamente como o monóxido de carbono, provoca diversas doenças cardiovasculares. Além disso, estimula no sistema gastrointestinal a produção de ácido clorídrico, o que pode causar úlcera gástrica. Também desencadeia a liberação de substâncias quimiotáxicas no pulmão, que estimulará um processo que destruirá a elastina, provocando o enfisema pulmonar.